Nova Classe C impulsiona internet no Brasil

Ver o tópico anterior Ver o tópico seguinte Ir em baixo

20052010

Mensagem 

Nova Classe C impulsiona internet no Brasil




Brasil possui a cultura mais digital do planeta e o maior percentual de pessoas conectadas à internet do mundo, incluindo a classe C, com uma média de 26,7 horas por mês de conexão, segundo dados da Comscore Media Matrix de setembro de 2009. Apesar disso, apenas 4,4% do budget de marketing das empresas são alocados hoje para as mídias digitais, um percentual muito inferior ao de países como a Inglaterra, onde 23% dos recursos destinam-se à área digital; a China, com 13,6%, ou ainda os Estados Unidos, onde esse percentual é de 11,3%.

Os dados constam da pesquisa New Digital Middle Class, que está sendo realizada pela Razorfish, maior agência de marketing digital do mundo (segundo o ranking da Advertising Age de 2009), que apresentou nesta semana alguns dados do estudo, em encontro no qual anunciou o início das suas operações no mercado brasileiro.

"Em quase todas as escalas, o brasileiro é o povo mais digital do planeta. Com programas como o novo Plano Nacional de Banda Larga do governo, o acesso se tornará ainda mais amplo e profundo”, afirmou Joseph Crump, vice-presidente sênior de estratégia e planejamento da Razorfish, ao ressaltar a importância da classe C para essa mudança de paradigma.

Um dado que comprova isso é que 33% da audiência da classe C hoje está na internet, em comparação a 44% da televisão, segundo dados do Grupo de Mídia de 2008. Em 2010, a Classe C deverá representar 45% do total do mercado de internet, destacando-se que 51% das compras online são de consumidores das classes C, D e E.

“É hora das empresas e marcas começarem a se libertar de sua dependência da televisão para se conectar aos seus consumidores", ressaltou Fernando Tassinari, gerente geral da subsidiária brasileira da Razorfish, ao citar que, em outros países, a alocação das verbas está migrando, e a agência quer contribuir para acelerar esse processo também no Brasil.

Segundo o estudo em elaboração pela Razorfish, diversos fatores têm reforçado a posição da televisão como a mídia mais forte no Brasil. Um deles é a forte cultura da telenovela, e o outro, a prática da Bonificação por Volume (BV) dada pelas emissoras de televisão às agências, que contribui para o direcionamento dos recursos para a mídia televisiva. Nos Estados Unidos, em contrapartida, menos de 10 milhões dos lares estão conectados hoje às redes abertas de televisão, em comparação a cerca de 50 milhões na década de 70.

No Brasil, a televisão detém cerca de 55% das verbas disponibilizadas para as várias mídias (impressas, internet, rádio e out of home), enquanto nos EUA essa participação está perto de 25% e na Inglaterra, próxima de 20%.

Mas a situação do mercado brasileiro está mudando, fortemente impulsionada pela emergência da classe C, que em 2008 já representava 44% da população, segundo estudo da Nielsen, e hoje já soma 80 milhões de pessoas responsáveis por 46% do consumo no País. Joe Crump citou dados da pesquisa realizada pela McCann Erickson e o Instituto DataPopular, segundo a qual 58% da classe C possui computador; 80% dessa parcela dizem que não podem viver sem o seu micro e 66% desejam comprar um celular com câmera fotográfica. Outro dado que reforça a posição do Brasil de País altamente digital é o número de vendas de computadores, que alcançou 12 milhões em 2008, dos quais 5 milhões foram de notebooks, segundo dados da ABINEE (Associação Brasileira da Indústria Eletroeletrônica).

O fenômeno das Lan Houses tem tido um papel fundamental para garantir o acesso da população à internet, e tanto é que 48% dos usuários da rede no País acessam a internet por meio destes pontos. Hoje já há mais de 90 mil Lan Houses no País em comparação a 2.976 bookstores e 2.300 cinemas, segundo dados do CGI-Brasil.

“A classe C não está sendo bem compreendida no Brasil. Quando falamos com as empresas, elas afirmam que a classe C não está usando mídia digital, o que não é verdade”, observou Fernando Tassinari.

Segundo ele, o mercado está em evolução e as empresas terão que utilizar o digital para mudar o seu negócio, responder aos desafios com mudança de estratégia, criação de marcas online, oferecer opções para os clientes estarem conectados de forma diferente, mudar as tecnologias e as estruturas internas para fazer o negócio diferente e alavancar o canal digital, sempre com mensuração e avaliação das ações. “É isso que a Razorfish vem fazer no Brasil, queremos construir algo novo”, destacou José Martinez, diretor da Razorfish para a América Latina, ao acrescentar que a missão da agência será ajudar o mercado a ser mais digital e a desenvolver as melhores práticas nessa área.


Fonte: TudoAgora.com.br

_________________
abcid  Associação Brasileira de Centros de Inclusão Digital
  Diretor de Divulgação e Mídia Digital ABCID
  http://www.abcid.org.br   /  http://www.portaldaslans.com.br

avatar
Alexandre
Admin
Admin

Masculino Número de Mensagens : 942
Idade : 47
Localização : Serra Negra - SP
Nome de sua Lan House : Open World Internet & Café
Ano da Abertura : 2003
Data de inscrição : 14/07/2007

Ver perfil do usuário http://www.openworldsn.com.br

Voltar ao Topo Ir em baixo

- Tópicos similares
Compartilhar este artigo em: BookmarksDiggRedditDel.icio.usGoogleLiveSlashdotNetscapeTechnoratiStumbleUponNewsvineFurlYahoo!Smarking

 
Permissão deste fórum:
Você não pode responder aos tópicos neste fórum